Gestão ambiental

A BTP busca a excelência em seus negócios, sempre com transparência e cuidando do meio ambiente e das pessoas.

- Programas ambientais

Evolução Histórica da área remediada

1955
1955
1972
1986
2002
Lixão interditado pela Codesp

A BTP investe em 22 programas ambientais para gestão, monitoramento, auditoria e controle do meio biótico, antrópico e físico da região onde se situa, com foco em:

  • Dragagem;
  • Espécies marinhas;
  • Arqueologia;
  • Águas superficiais e subterrâneas;
  • Efluente;
  • Resíduos sólidos;
  • Fauna terrestre;
  • Monitoramento do manguezal e Compensação florestal.
  • Emergências ambientais;

- Remediação ambiental

O terreno localizado na margem direita do Porto de Santos – área que abriga o futuro terminal multiuso da Brasil Terminal Portuário – foi considerado, por mais de cinco décadas, um dos maiores passivos ambientais do Estado de São Paulo e o maior localizado em área portuária.

A BTP firmou compromisso com o Ministério Público Estadual e, após as licenças do Ibama e da Cetesb (ambas concedidas no segundo semestre de 2009), o processo de remediação ambiental foi iniciado.

O começo do processo contou com a separação dos resíduos e lavagem do solo. Foram quase 1,2 milhão de toneladas de material contaminado transportados para o aterro industrial, de Caieiras, no interior de SP. Isso representa 17,5 mil viagens para o aterro.

O processo de remediação durou cerca de 30 meses. Foi concluído em março de 2012 e, em junho do mesmo ano, a BTP recebeu o parecer técnico positivo da Cetesb. O valor investido na remediação foi de R$257 milhões. Pela eliminação deste grande passivo local, em agosto do mesmo ano, recebeu homenagem da Câmara Municipal de Santos, durante sessão plenária solene.

gestao1

Manguezal preservado pela BTP às margens do Rio Saboó

gestao2

Ave Carcará créditos: colaborador Gilberto Peres

- Financiamento sustentável

O investimento no projeto da BTP é de quase US$ 800 milhões. O valor foi 60% sindicalizado pelo International Finance Corporation (IFC), braço do Banco Mundial voltado à promoção do investimento do setor privado de países em desenvolvimento.
A sindicalização só foi possível porque o Projeto BTP estava em completa consonância com os “Princípios do Equador”- critérios para concessão de crédito instituídos IFC, de maneira a garantir a sustentabilidade, o equilíbrio ambiental e o impacto social do empreendimento.
A auditoria feita no projeto comprovou sua elegibilidade ao financiamento.